Você está aqui: Biografia Origens

A busca de uma profissão

Depoimento de Tancredo Neves. Do livro "Tancredo Neves: a Trajetória de um Liberal", de Vera Alice Cardoso Silva e Lucília de Almeida Neves Delgado. Editoras UFMG/Vozes.1985

"A minha primeira tentativa [de formação profissional] foi a Escola de Engenharia de Minas em Ouro Preto, logo depois que terminei o ginásio. Mas eu não gostei da vida de Ouro Preto. A vida em Ouro Preto naquela ocasião era um convite a uma vadiação permanente. Eram conversas intermináveis nas repúblicas, roubo de galinhas, serenatas, bebedeiras. Enfim, com dois meses nessa vida, eu tinha perdido o pai há pouco tempo, minha mãe viúva, com muitos filhos para educar, me deu um peso na consciência. Aquilo não era vida, eu tinha que mudar de vida, em Ouro Preto eu não conseguiria mudar de vida.

A minha preocupação então foi procurar ingressar na Marinha. Eu fiz o meu exame na Marinha, não fui classificado. Eram apenas vinte vagas, eu fiquei no 25º lugar. De maneira que eu não consegui a matrícula. Recebi meus documentos na Secretaria da Escola Naval e fui para São João del-Rei. Quando cheguei em São João del-Rei, os jornais publicavam a minha convocação. A Marinha havia deliberado estender as matrículas até o 25º classificado. Mas os jornais naquele tempo custavam muito a chegar em São João Del-Rei e a gente demorava muito a chegar em São João del-Rei também.

Quando tomei conhecimento da convocação e me apresentei no Rio, as aulas já haviam começado há mais de uma semana e o 26º colocado havia sido chamado. Então não me quiseram admitir e eu não consegui a minha matrícula. Envidei esforços enormes para conseguir a minha admissão; mas não logrei êxito em remover as dificuldades. [Optando pela carreira militar], eu teria sido hoje, talvez, quem sabe, um golpista terrível... (risos).

Quando eu voltei para Minas Gerais, eu não podia perder o ano. Tentei me matricular na Faculdade de Medicina, fiz a minha matrícula. Fui 120º matriculado. Às vésperas do vestibular, veio uma recomendação da diretoria que só aceitasse as matrículas até o 100º. De maneira que eu fui excluído. Para não perder o ano é que fui para a Faculdade de Direito."