Você está aqui: Home

Exposição do Centenário esteve no Rio e em BH

A exposição “Centenário de Tancredo Neves”, um dos marcos da celebração à memória do ex-presidente, foi exibida em 2010 no Museu Histórico Nacional, no Rio de Janeiro, até 6 de junho, e no Palácio das Artes, em Belo Horizonte, no período de 19 de agosto a 30 de setembro.


A mostra, visitadas por milhares de pessoas, reproduziu o acervo do Memorial Tancredo Neves, localizado no centro histórico de São João del-Rei, Minas Gerais, que retrata o percurso do homem que marcou a história política do País no século 20, desde as origens, como vereador do Partido Progressista em sua cidade natal, até a eleição para a Presidência da República.


O Memorial Tancredo Neves foi aberto em 1990, em um casarão do final do século 18. No dia 4 de março, data de nascimento do ex-presidente, a instituição foi reinaugurada com projeto cenográfico do curador Marcello Dantas, ex-diretor artístico do Museu da Língua Portuguesa.


A exposição reproduziu integralmente a concepção do memorial, que é dividido em sete salas, mostrando o percurso de Tancredo. Na primeira (“A Origem”), estão representados os vínculos do homenageado com sua terra natal: uma espiral de metal guarda antigas fotos de família, documentos, notícias e memórias da formação afetiva e intelectual do futuro presidente da República. Ali também estão dispostos objetos como o anel de formatura e a máquina de escrever, usada por ele durantes os anos de estudante na faculdade de direito da UFMG, em Belo Horizonte.


Em seguida, a trajetória política é resumida no ambiente denominado o “O Caminho”, que contempla os principais cargos ocupados e uma cronologia dos passos de Tancredo ao longo da história do País. Recortes de jornais expressam os momentos da biografia que convergiram para importantes capítulos da história política brasileira. Uma bancada abriga documentos oficiais e um oratório reúne as cartas trocadas entre Tancredo e o ex-presidente Juscelino Kubitschek. A correspondência, disponível para leitura do público, é em grande parte inédita.


O espaço “Habilidade Política” explora a característica do homem de diálogo e sua capacidade para construir consensos. Uma instalação de aço polido com olhos mágicos em formato de fechaduras permite ao visitante espionar por detrás das portas do poder.


Imagens das Diretas Já e da eleição de Tancredo, em vídeo de Sílvio Tendler, formam um quadro comovente do processo de redemocratização. Em um percurso de sombras e luzes, através de um corredor de espelhos com vitrines embutidas, objetos que marcaram o renascimento da democracia se revelam diante do público, tais como flâmulas, jornais, fotos e camisetas.


Um dos espaços é reservado a uma instalação que expressa a surpresa, a agonia e a dor coletiva que marcaram o dia antes da posse, da longa internação ao trágico falecimento do presidente eleito. Projeções mostram a comoção popular e a intensa cobertura televisiva.


Na sala “Post Scriptum” estão as cartas do Papa João Paulo II, as manchetes dos jornais com a notícia da morte de Tancredo e depoimentos de artistas e personalidades do mundo político. Em ”Lavra de Ideias”, a máscara mortuária de Tancredo se sobrepõe a uma piscina com água e dali palavras e pensamentos são projetados nas paredes da sala.


A exposição Centenário de Tancredo Neves foi patrocinada pela Oi Futuro, por meio do incentivo da Lei Rouanet.


Memorial Tancredo Neves

Rua Padre José Maria Xavier, no. 7
Fone: (32) - 3371.7836
Aberto de sexta a domingo, além de feriados
Horário: 09 às 17 horas
Ingresso: R$ 2,00