Você está aqui: Livros

Livros

capa_1capa_2


A POLÍTICA COMO RAZÃO: AS IDEIAS E O TEMPO DE TANCREDO NEVES


Mauro Santayana (introdução e seleção de textos). Cláudio Ferlauto (ilustrações). Ângelo Oswaldo (contracapa). Fundação Presidente Tancredo Neves. São João del-Rei, 2010.

 

TANCREDO, O VERBO REPUBLICANO


Mauro Santayana (organização e notas). Cláudio Ferlauto (ilustrações). Angelo Oswaldo (contracapa). Fundação Presidente Tancredo Neves. São João del-Rei, 2010.


Colaborador e amigo de Tancredo Neves durante vários anos, o jornalista Mauro Santayana foi o responsável pela organização destes dois volumes especialmente editados dentro das comemorações do centenário de nascimento do ex-presidente. O primeiro compõe-se de frases de Tancredo minuciosamente selecionadas por Santayana, pelas quais se tem um retrato do pensamento político do homem que protagonizou os principais capítulos da história brasileira no século 20. No segundo livro, “Tancredo, o Verbo Republicano”, o jornalista reuniu doze discursos de Tancredo em diferentes períodos da política brasileira, contextualizando-os por meio de notas explicativas. Entre eles, desde o discurso quando Tancredo assume a pasta da Justiça no Governo Vargas, em 1953, até o texto preparado para a sua posse na Presidência da República, em 1985. “Santayana resgata o orador e orago político, num tempo sem tribunas nem tribunais, mas encharcado de esperança, no sonho garimpeiro da liberdade”, escreveu na contracapa o jornalista e atual prefeito de Ouro Preto, Angelo Oswaldo. Os dois volumes, em capa dura, são luxuosamente acondicionados em uma luva.

Tancredo_Neves__Um_Homem_para_o_seu-tempo

Tancredo Neves: Um Homem para o Brasil

Andrea Neves da Cunha (concepção, edição e direção). Fundação Presidente Tancredo Neves com apoio da Companhia Vale do Rio Doce. Belo Horizonte, 2005
 

É o mais abrangente painel da vida de Tancredo Neves, um emotivo álbum de recordações, com acabamento gráfico primoroso. Há fotos, charges, capas de jornais e revistas, cartas, material de campanha política, orações, poemas e citações. O material cobre desde a infância em São João del-Rei até o funeral na Igreja de São Francisco, passando pelos diversos passos de sua trajetória política: vereador, deputado, ministro, primeiro-ministro, senador, governador e presidente da República. Traz as demonstrações de fé e solidariedade nos momentos dramáticos de sua doença. Acompanha um CD-Rom com áudio do pronunciamento feito quando Tancredo venceu a eleição para presidente da República, no Colégio Eleitoral. Dois volumes reúnem cinco discursos e uma cronologia detalhada de sua vida e obra. Uma elegante caixa branca acolhe todo o conjunto editorial. A obra foi publicada por ocasião dos 20 anos da morte de Tancredo, em 2005, e ganhou os prêmios regional e nacional da Associação Brasileira de Comunicação Empresarial (Aberje), na categoria Publicação Especial.


Leia mais: Compromisso com a História – Roger Agnelli
O afeto que nos toca – Andrea Neves da Cunha
Tancredo: o homem, vida e adeus – Jota Dangelo

livro

TANCREDO NEVES: A TRAJETÓRIA DE UM LIBERAL

Vera Alice Cardoso Silva e Lucília de Almeida Neves Delgado. Editora Vozes em co-edição com Universidade Federal de Minas Gerais, 1985, 298 páginas


A obra é um dos principais documentos existentes sobre o legado político do ex-presidente. Nela está a transcrição integral do longo depoimento concedido às autoras por Tancredo, entre 1983 e 1984, publicado no formato de pergunta e resposta. Além do extenso depoimento, o volume reúne a acurada análise “Tancredo Neves e a Política Brasileira: Ensaio de Interpretação”, uma conferência pronunciada no VII Seminário de Estudos Mineiros da UFMG, em 1983, uma cronologia e, ainda, dois anexos finais: o primeiro discurso de projeção de Tancredo, em 1936, durante o governo Benedito Valadares, e o discurso do presidente eleito, pronunciado em 15 de janeiro de 1985, depois da vitória no Colégio Eleitoral. Os encontros entre as autoras e o então governador de Minas Gerais foram realizados aos domingos, no Palácio das Mangabeiras, em Belo Horizonte. O conjunto das entrevistas somou 12 horas de gravação. A edição é enriquecida por encarte fotográfico que percorre toda a trajetória política e revela a participação de Tancredo em alguns dos momentos mais decisivos da história brasileira no século 20.

Perfil-parlamentar-Tancredo-Neves

PERFIL PARLAMENTAR (Perfis Parlamentares 47) – TANCREDO NEVES

Seleção e ensaio introdutório de Lucília de Almeida Neves Delgado. Centro de Documentação e Informações e Coordenação – Câmara dos Deputados – Brasília, 2010, 2ª edição, 938 páginas
 

O volume reúne os discursos parlamentares de Tancredo Neves, com apresentação do neto Aécio Neves, então presidente da Câmara dos Deputados. A decisão de publicá-lo coube à Mesa Diretora, em 1999, presidida por Michel Temer, conforme tradição de coligir os pronunciamentos dos membros mais destacados da Casa e traçar seu perfil convidando um profissional especializado para organizar o livro. Tal missão coube à historiadora Lucília de Almeida Neves Delgado. No ensaio inicial, a acadêmica situa Tancredo entre os homens públicos de elevada estatura que se diferenciaram entre os grandes líderes nacionais. “Tancredo incluiu-se (...) entre aqueles que fazem da negociação ingrediente indispensável da democracia, aqueles que valorizam a negociação por reconhecerem a pluralidade como fundamento da democracia”, ela destaca. Em seguida, o texto introdutório refaz a trajetória política do ex-presidente procurando caracterizar traços definidores do seu caráter desde a infância e juventude, como a oratória, a vocação democrática e a valorização da mineiridade. Além dos discursos reunidos, a obra traz entrevistas concedidas por Tancredo e um encarte fotográfico, no final.

Capa-Livro-Tancredo-Neves-14-12-2010

TANCREDO NEVES – SUA PALAVRA NA HISTÓRIA

Organização Lucília de Almeida Neves Delgado – Fundação Tancredo Neves, 1988, 346 páginas.


Seleção de discursos proferidos por Tancredo de Almeida Neves ao logo da sua vida pública. A publicação da obra foi uma das primeiras iniciativas empreendidas pela Fundação Tancredo Neves no esforço de colaborar com o resgate da memória política e social do país. A organização segue uma linha cronológica que cobre todos os anos de militância política do ex-presidente, desde sua eleição como deputado à Assembleia Constituinte do Estado de Minas Gerais, em 1946, até sua chegada à Presidência, em janeiro de 1985, e a preparação da posse que não ocorreu. O livro também abrange as conjunturas nas quais Tancredo foi ministro da Justiça (1952-1954), primeiro ministro e líder do PSD na Câmara Federal (1961-1965), deputado federal e senador pelo MDB (1966-1980), fundador do PP (1979-1980), candidato e governador de Minas pelo PMDB (1982-1984). “Tivemos como objetivo primordial a recuperação da dinâmica histórica da vida política brasileira nos seus últimos quarenta anos, bem como a inserção e participação do político Tancredo de Almeida Neves nesse processo”, esclarece a organizadora no texto introdutório.

Dirio-de-Bordo-A-Viagem-Presidencial-de-Tancredo

Diário de Bordo – A Viagem Presidencial de Tancredo

Rubens Ricupero. Imprensa Oficial, São Paulo, 2010, 452 páginas


Logo depois de ser eleito presidente da República pelo Congresso, em 15 de janeiro de 1985, Tancredo Neves decidiu promover uma viagem ao exterior, em busca de legitimação da comunidade internacional ao primeiro governo democrático após 20 anos de autoritarismo. Acompanhado da mulher, dona Risoleta, do neto Aécio Neves e de uma pequena comitiva de assessores que fez questão de viajar em vôos comerciais regulares, Tancredo foi recebido pelo papa João Paulo 2º, por chefes de Estado e altas autoridades de governo da Itália, França, Portugal, Espanha, Estados Unidos, México e Argentina. Neste livro, Rubens Ricupero, à época chefe do Departamento das Américas do Itamaraty, traz a público suas anotações tomadas durante aquele périplo, na condição de diplomata, assessor de política internacional e atento observador de cada detalhe, como contou ao jornal Brasil Econômico: “Durante a viagem, eu tive no fundo o papel de jornalista. Então, enquanto todos dormiam, eu trabalhava. Nos voos, enquanto todos conversavam ou comiam, lá estava eu escrevendo, no fundo do avião”. O livro reúne também fotografias, artigos e transcrição de discursos e entrevistas concedidas por Tancredo ao longo da viagem.

Tancredo_Livro_10Tancredo Vivo, Casos e Acasos

Ronaldo Costa Couto. Editora Record, Rio de Janeiro, 1995, 334 páginas


O economista mineiro Ronaldo Costa Couto integrou o ministério do presidente Tancredo Neves, como titular da pasta do Interior, em 1985, depois de ter sido seu secretário de Planejamento quando governador de Minas. Acompanhou muito de perto, portanto, os anos finais da trajetória dele. O livro procura mostrar que “o cidadão Tancredo Neves era múltipo e eclético, muito maior do que só o político, o pensador, o homem de ação”, além de dotado de senso de humor. Começa com episódios de folclore político, relata aspectos das ideias de Tancredo e, por fim, aborda factualmente sua doença, agonia e morte. Na apresentação, o jornalista Elio Gaspari resume: “Este livro é uma competente surpresa. Nele surge o Ronaldo Costa Couto indiscreto ao limite de sua elegância”. Seu melhor momento retrata os dias finais de Tancredo. “Até aqui, existiam algumas versões esparsas, peças isoladas de um quebra-cabeça. Costa Couto foi o primeiro autor a despejar sobre o tabuleiro dezenas de novas versões e os fatos desconhecidos”, Gaspari elogia. O historiador Francisco Iglésias assina o prefácio.

Tancredo_Livro_11Daquilo que Eu Sei: Tancredo e a Transição Democrática

Fernando Lyra. Editora Iluminuras, Coleção Memória, São Paulo, 2009


Em 1985, o então deputado federal pernambucano Fernando Lyra foi escolhido pelo presidente eleito Tancredo Neves para ser seu ministro da Justiça, integrando a equipe de governo anunciada em 12 de março daquele ano. No posto de um dos principais articuladores da candidatura presidencial, Lyra dá um depoimento relevante neste livro para a compreensão daqueles anos da transição entre a ditadura militar e a democracia. Ele revive o clima das Diretas Já e fala sobre a votação no Colégio Eleitoral. A obra reúne entrevistas de Lyra para as revistas "Veja" e "Playboy", além de textos de Cristóvam Buarque, Marcello Cerqueira e Mauro Santayana, entre outros. Um dos fundadores do grupo Autêntico do MDB, ele  exerceu o cargo de ministro da Justiça no governo Sarney, durante 11 meses. Em 1989, foi o vice de Leonel Brizola, do PDT, na disputa para a presidência da República, na primeira eleição direta pós-ditadura.

Os_Grandes_Lderes__Tancredo_Neves__Nova_Cultural

Tancredo

Augusto Nunes. Editora Nova Cultural, Os Grandes Líderes, São Paulo, 1988, 110 páginas

 

Biografia completa de Tancredo Neves, escrita por Augusto Nunes, jornalista considerado um dos melhores textos da imprensa brasileira. Além da pesquisa histórica, a obra está enriquecida pela vivência do autor como editor de política e redator-chefe da revista "Veja", tendo acompanhado de perto os últimos anos da trajetória do biografado. Há também uma boa seleção de fotos sobre os diferentes períodos. Uma compilação de frases ajuda a compreender melhor o personagem: “Fico mais feliz quando consigo um acordo entre partes contrárias que quando venço um adversário nas urnas”, dizia Tancredo, por exemplo. O livro faz parte de uma coleção destinada ao grande público, na qual Tancredo é um dos 90 grandes líderes retratados no mundo, ao lado dos brasileiros Getúlio Vargas e Juscelino Kubitschek e de nomes como John Kennedy, Martin Luther King, Charles De Gaulle, Golda Meir e Mikhail Gorbachov.

Assim_Morreu_Tancredo__Antnio_Brito

Assim Morreu Tancredo

Antônio Britto. Depoimento a Luís Claudio Cunha. L&PM, Porto Alegre, 1985, 201 páginas


Com sólida experiência na cobertura política em Brasília, o jornalista gaúcho Antônio Britto recebeu a indicação do presidente Tancredo Neves para ser o Secretário de Imprensa e Divulgação de seu governo, em 1985. “Fui transformado pelas circunstâncias em porta-voz do maior drama já vivido no Brasil”, conta o jornalista na apresentação. Durante o período, o rosto tenso de Britto esteve muito presente nos lares dos brasileiros, que acompanharam, passo a passo, a agonia de Tancredo pela televisão. O livro é o resultado de 23 horas de conversas gravadas entre ele e o também tarimbado jornalista Luís Claudio Cunha, na época chefe da revista "Veja", em Brasília. Eles buscaram “restaurar a emoção, a esperança e a tristeza daqueles 38 dias de angústia". Conforme definem os editores, “neste livro, o leitor conhecerá os bastidores da agonia do Presidente, através do testemunho do único repórter que teve acesso ao palco dos acontecimentos”.

Conciliao_e_Transio__Mauro_Santayana

Conciliação e Transição: as Armas de Tancredo

Mauro Santayana. Editora Paz e Terra. São Paulo, 1985. 195 páginas


O jornalista Mauro Santayana reuniu aqui artigos publicados quase todos eles no jornal "Folha de S. Paulo", entre 1976 e 1982. Segundo ele, foi nesse período que a personalidade de Tancredo Neves, “emergindo de um período em que a atividade política se tornara quase clandestina, recuperou o seu espaço em Minas e no País”. Diz Santayana, na apresentação: “A leitura destes artigos, escritos no dia a dia dos acontecimentos, ajudará a compreender a paciente armação da saída política pelo centro liberal. E contribuirá também para o entendimento de que os princípios são ainda o melhor lastro para o êxito político”. Atuante na imprensa desde os anos 50, o autor é detentor de uma carreira profissional sempre muito elogiada, como repórter ousado, correspondente internacional (Praga, Bonn e Madri) e articulista agudo, tendo trabalhado nos grandes veículos brasileiros.