Você está aqui: Clipping

Clipping

Tancredo Foi um "Parlamentar por Excelência", diz Aécio Neves

Folha Online – 03/03/2010


MÁRCIO FALCÃO


O governador Aécio Neves (Minas Gerais) afirmou nesta quarta-feira que a homenagem do Congresso Nacional ao centenário de nascimento do ex-presidente Tancredo Neves é especial porque foi no Parlamento que ele construiu sua trajetória política e viveu a maior parte de sua vida.


Leia íntegra do discurso de Aécio


Segundo o governador, que participa a cerimônia de inauguração do busto do avô, Tancredo era um parlamentar por excelência.


"Eu estou hoje aqui muito feliz participando de uma homenagem ao centenário de nascimento de Tancredo. E de todas as homenagens essa tem sentido especial porque foi nessa Casa, entre essas paredes, que Tancredo viveu a maior parte de sua vida. Ele era um parlamentar por excelência. Ele gostava de debate, articulação política e construiu sua trajetória a partir do Congresso Nacional e de forma especial do Senado. Hoje a casa de Tancredo homenageia Tancredo", afirmou.


Leia mais em: Aécio diz que Tancredo Neves foi um "parlamentar por excelência"

Inauguração de Busto Abre Homenagens no Senado

Agência Senado – 03/03/2010


"Tancredo é o maior político contemporâneo do Brasil". A frase é do presidente do Senado, José Sarney, proferida na inauguração do busto do presidente Tancredo Neves no Salão Nobre do Senado. A estátua ficará exposta ao lado dos bustos de Prudente de Morais (presidente da República entre 1894 e 1898), Afonso Arinos de Mello Franco (chanceler, senador e jurista), Ruy Barbosa (ministro da Fazenda, jurista, senador e diplomata), Joaquim Murtinho (ministro da Fazenda entre 1898 e 1992, senador, médico e engenheiro) e Nelson Carneiro (senador, presidente do Congresso Nacional).


Em seu discurso de homenagem ao político mineiro, Sarney afirmou que o Brasil deve a Tancredo a redemocratização sem traumas, graças à sua atuação conciliadora, voltada para o interesse de todos os brasileiros - e não para os interesses de grupos. Segundo Sarney, a grande inspiração de Tancredo sempre foi Honório Hermeto Carneiro Leão - o Marquês do Paraná."Se ao Marquês do Paraná o Brasil deve a consolidação do Império e da integridade territorial, a Tancredo devemos a República que temos hoje", disse Sarney.


José Sarney disse que Tancredo Neves sempre foi uma presença permanente em sua própria vida, "uma luz permanente, um exemplo para as novas gerações". E contou que acompanhou a trajetória de Tancredo desde o suicídio de Getúlio Vargas (1954), passando pela renúncia de Jânio Quadros (1962) e pelo período de autoritarismo, a partir de 1964. "Ele sempre cuidou da preservação da existência do Congresso, mesmo no período autoritário, sempre buscou a transição pacífica", disse Sarney. O presidente do Congresso ressaltou também o "amor comovente" que Tancredo sempre teve pelo neto, o atual governador de Minas Gerais, Aécio Neves, em quem sempre viu um enorme talento para a vida pública.


Leia mais em: Inauguração de busto de Tancredo abre homenagens ao político mineiro

Políticos Reverenciam Legado de Tancredo

Agência Senado – 03/03/2010


Políticos de vários partidos prestam homenagem, em sessão solene do Congresso, a Tancredo Neves (1910-1985) pelo centenário de seu nascimento. Eles ressaltam o papel do político mineiro na redemocratização do país e na construção da Nova República, após 21 anos de ditadura militar.


Além do presidente do Senado, José Sarney, e do presidente da Câmara dos Deputados, Michel Temer, discursaram os governadores de São Paulo, José Serra, e de Minas Gerais, Aécio Neves, enaltecendo o espírito público de Tancredo. Serra atribuiu a Tancredo o grande período de estabilidade e a consolidação da democracia, posteriores ao regime militar. Aécio disse que seu avô Tancredo era um democrata, que amava o diálogo e o Parlamento.


Os senadores Francisco Dornelles (PP-RJ), Marina Silva (PV-AC) e Pedro Simon (PMDB-RS) também já falaram à tribuna. Dornelles lembrou a participação de Tancredo em episódios de crise política no país e Marina ressaltou que Tancredo era um homem de aguçada visão política, capaz de apontar as saídas possíveis para o Brasil. Simon classificou Tancredo como um "mártir brasileiro".


Leia mais em: Políticos de vários partidos reverenciam legado de Tancredo

Tancredo Morreu pela Democracia, Afirma Sarney

Agência Senado – 03/03/2010


"Há homens que dão a vida por um país: Tancredo deu mais, ele deu a morte", discursou o presidente do Congresso, José Sarney, durante sessão solene em homenagem ao centenário de nascimento de Tancredo Neves. Depois de fazer uma retrospectiva da biografia do político mineiro, Sarney contou detalhes da transição democrática brasileira.


Conforme relatou, após ter sido eleito presidente da República, Tancredo foi internado às pressas, na véspera de tomar posse. O político mineiro sabia que o então presidente João Baptista Figueiredo não concordava em empossar seu vice - José Sarney. A preocupação de Tancredo, naquele instante, deixou de ser a própria saúde. A prioridade era devolver a democracia ao Brasil.


- Depois de 51 anos de vida pública, a dor implacável a 15 horas da posse.A internação, a indicação cirúrgica e sua tenaz resistência. Não admite ser operado antes da posse. Aos médicos, resiste, luta, implora: 'Eu peço, pelo amor de Deus: me deixem até amanhã e depois de amanhã façam de mim o que vocês quiserem. Mas eu tenho uma obrigação. É um compromisso que eu tenho. Eu sei, de fonte fidedigna, que o Figueiredo não dá posse ao Sarney' - reproduziu o presidente do Congresso.


Leia mais em: Tancredo Morreu pela democracia, afirma Sarney

Alvaro Dias: “Tancredo Dignificou a Atividade Política"

Agência Senado – 03/03/2010


Para o senador Alvaro Dias (PSDB-PR), Tancredo Neves "dignificou a atividade política" e "sua vocação moderada" foi direcionada totalmente à busca da conciliação e da negociação.


– Sem prejuízo de suas posições liberais, ele operou no cenário da política brasileira sem abrir mão de suas convicções pessoais, tendo o bem comum como objetivo maior a ser alcançado - sustentou.


Alvaro Dias afirmou que Tancredo "travou árduas batalhas contra o autoritarismo e a ausência de liberdade", lembrando que, em 1982, o político mineiro alertou que o autoritarismo "começa desfigurando as instituições e acaba desfigurando o caráter do cidadão". Conforme o senador, a ojeriza de Tancredo Neves ao autoritarismo está expressa em outra frase: "Para meu ideário político, o valor absoluto da vida é a liberdade. O paraíso, se estiver cercado, será sempre o inferno".


Leia mais em: Alvaro Dias: Tancredo dignificou a atividade política

Heráclito Destaca Legado para a Democracia Brasileira

Agência Senado – 03/03/2010


O senador Heráclito Fortes (DEM-PI) ressaltou em Plenário, nesta quarta-feira (3), a contribuição fundamental de Tancredo Neves para a consolidação da democracia no Brasil. Segundo Heráclito, Tancredo sempre soube, de maneira exemplar, conviver com a adversidade, tendo conseguido realizar a transição democrática sem que nenhuma gota de sangue fosse derramada.


- Mas é preciso que fique seu exemplo, que deu de frutificar, seu legado que hoje é testemunhado pela nação inteira na figura de seu neto Aécio Neves. Tancredo não fez oligarquia. Não governou com corriolas. Tancredo governou com estilo, com sabedoria e acima de tudo com princípios - disse.


Leia mais em: Heráclito destaca legado de Tancredo para a democracia brasileira

Mão Santa Compara Tancredo a JK e Tiradentes

Agência Senado – 03/03/2010


Ao discursar em homenagem ao centenário de nascimento de Tancredo Neves, o senador Mão Santa (PSC-PI) comparou o ex-presidente a outros dois personagens mineiros que também entraram para a história do país: Tiradentes e o ex-presidente Juscelino Kubitschek. Mão Santa leu trechos do que ele chamou "o maior discurso de Tancredo Neves", feito em sessão da Câmara dos Deputados em homenagem a JK, em 14 de setembro de 1976, pouco menos de um mês depois da morte trágica do "Presidente Bossa Nova".


- O que ele disse para Juscelino pode ser dito para ele hoje. A homenagem que ele fez a Juscelino, eu transfiro para ele próprio - disse Mão Santa.


"Houve em cada lar uma prece, em cada face uma lágrima, em cada coração um voto de pesar e de saudade. É que Juscelino Kubitschek de Oliveira pertencia àquela estirpe do herói de Sófocles na Antígona: não viera para partilhar o ódio, mas para distribuir o amor", leu Mão Santa as palavras de Tancredo.


Leia mais em: Mão Santa compara Tancredo a JK e Tiradentes

Marconi Perillo: “Devemos a Democracia a Homens como Tancredo”

Agência Senado – 03/03/2010


Ao participar da homenagem aos cem anos de nascimento de Tancredo Neves, a serem comemorados nesta quinta-feira (4), o senador Marconi Perillo (PSDB-GO) afirmou que, "se podemos ter a certeza de ver enraizada a democracia no Brasil, devemos isso a homens como Tancredo de Almeida Neves, um democrata autêntico e virtuoso".


- Podemos dizer, em memória de nosso homenageado, que o Brasil está ao abrigo da democracia e não mais admite o tacão do autoritarismo, seja ele de que natureza for - declarou o senador na tarde desta quarta-feira (3).


Marconi Perillo disse ainda que, "se estivesse vivo, Tancredo estaria contente em ver realizado seu propósito de garantir um grande acordo nacional para a transformação do Brasil".


Leia mais em: Marconi Perillo: Devemos a democracia a homens como Tancredo

Para Eliseu Resende, Tancredo se Tornou Mito

Agência Senado - 03/03/2010


Em discurso na sessão que comemorou o centenário de nascimento de Tancredo Neves, ocorrida no Congresso Nacional nesta quarta-feira (3), o senador Eliseu Resende (DEM-MG) salientou que o ex-presidente, "figura paradigmática" quando vivo, hoje se tornou um verdadeiro mito.


- Não por acaso, são inesgotáveis as referências em torno de sua sabedoria política, de seu discernimento fino, de sua engenhosidade, de sua prudência, de sua capacidade de conciliação e de sua moderação - disse.


Ele afirmou que o político deixou uma marca indelével na história do Brasil, mas, principalmente, marcou a carreira política de seus contemporâneos, sejam aliados ou adversários, caso em que o próprio se enquadra. Eles estiveram em campos opostos na disputa pelo governo de Minas Gerais, em 1982.


Leia mais em: Para Eliseu Resende, Tancredo Neves se tornou verdadeiro mito

Tuma Recorda o Sofrimento da Família e do Povo durante Agonia

Agência Senado - 03/03/2010


O senador Romeu Tuma (PTB-SP) fez um relato em Plenário nesta quarta-feira (3), durante sessão solene do Congresso em homenagem ao Centenário da morte de Tancredo Neves, sobre os mais de 20 dias em que acompanhou os familiares do presidente eleito pelo Colégio Eleitoral, no Instituto do Coração (Incor), em São Paulo, até o anúncio de sua morte por seu assessor de imprensa, Antônio Britto, no dia 21 de abril de 1985.


- A coisa mais amarga foram aqueles 20 e poucos dias que passei no hospital. O jovem neto Aécio, Francisco Dornelles, o assessor de imprensa Brito explicando à população o que acontecia a cada hora, e Tancredo operado sete vezes - recordou.


Tuma, que na ocasião esteve envolvido na segurança de Tancredo Neves, devido à multidão que permanecia à frente do hospital, relatou que, em determinado momento, a família contratou um especialista em Unidade de Terapia Intensiva dos Estados Unidos. Ao levá-lo para o aeroporto poucos dias depois, Tuma ouviu dele que as medidas tomadas foram paliativas, apenas para prolongar a vida, mas que sua morte era inevitável.


Leia mais em: Romeu Tuma recorda o sofrimento da família e do povo durante agonia de Tancredo no hospital

Suplicy: “Tancredo É um dos Gigantes da Democracia Brasileira”

Agência Senado - 03/03/2010


O senador Eduardo Suplicy (PT-SP) afirmou que Tancredo Neves pode ser considerado "um dos gigantes da construção da democracia brasileira". A declaração foi feita nesta quarta-feira (3), durante a sessão solene do Congresso Nacional destinada a celebrar o centenário de nascimento de Tancredo Neves.


Suplicy disse que os depoimentos sobre Tancredo, durante a homenagem, permitirão que o Brasil tenha o registro de fatos significativos sobre a vida do político mineiro que "possibilitou ao país se aperfeiçoar como uma Nação democrática, em que os objetivos de realização de Justiça e de fraternidade pudessem se tornar realidade o quanto antes".


Falando também e nome do líder do PT, Aloizio Mercadante (SP), Suplicy lembrou as circunstâncias que levaram è eleição de Tancredo à Presidência da República pelo Colégio Eleitoral. Ele recordou a participação do PT na campanha "Diretas já", pela aprovação da proposta de emenda à Constituição que restabelecia as eleições diretas, a qual não foi aprovada pelo Congresso Nacional. O PT, dividido, relatou o senador, optou por não participar das eleições indiretas que acabaram elegendo Tancredo presidente.


Leia mais em: Suplicy: Tancredo é um dos gigantes da construção da democracia brasileira

Página 4 de 7